segunda-feira, 1 de junho de 2015

Junho

Ele chegou bem chegado, trazendo consigo o cheiro da fogueira, dos fogos, da canjica no fogo de lenha que aquece nas noites de inverno, que aqui chegam a nove graus brincando. É de longe o mês mais cheiroso, gostoso e animado, tem motivos de sobra e desculpas também pra dar cheiro no cangote e dançar coladinho festejando a colheita e os santos juninos. É quando o coração vira uma fogueira e as cores se misturam pra alegrar a vida.
Quero ser a última rapadura do caçoá, quero ser a brasa que resta no fim da noite nublada para te aquecer. E nas voltas que o mundo dá, venha junho seu lindo. Seja delicado e cheiroso, me deixe com o calor das fogueiras brejeiras no coração e o orgulho de ser Nordeste.

2 comentários:

  1. "Quero ser a brasa que resta
    No fim da noite nublada
    Pra te aquecer."

    Que belo haikai!!

    ResponderExcluir
  2. Nanô percebeu muito bem!

    Já "Quero ser a última rapadura do caçoá" é um belo mote para um Cordel da Nordestinidade!

    Quem sabe?!

    ResponderExcluir