quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Escutatória


Esses últimos dias estão nublando os relacionamentos. As discussões, principalmente as que envolvem política estão cada vez mais acirrada. Todos querem ter razão, querem falar, quase ninguém quer ouvir ou entender o outro. No livro do universo a jabuticaba do Rubem Alves, ele conta que já viu muitos cursos de oratória, mas nunca viu um de escutatória. Eita Rubem, deixa eu te contar. O meu amigo Fábio Ataíde hoje vai dar um curso de escutatória lá no Rio grande do Norte. As perguntas serão mais ou menos assim:
1. Você se lembra de uma ajuda que foi importante para a sua vida?
2. Lembra daquela pessoa que um dia ajudou?
3. Como aprender a se relacionar?
4. Regras e etiquetas são suficientes na sociedade multicultural?
5. É possível aprender a se relacionar? Quais paradigmas criminológicos ajudam a isso? 
6. Qual a importância da rede de garantias para o processo de relacionamentos? Você já se despertou para as pessoas especiais de seu ciclo de relacionamento? Qual a importância da Escola criminológica de Chicago para essas questões das pessoas especiais em nossas vidas?
7. É possível falar em aprendizado nas relações interpessoais?
8. Qual crítica podemos fazer à forma de pensamento do positivismo criminológico que nos impede de se relacionar ou escutar o diferente?
9. Quais são as bases ou os conceitos que me permitem facilitar a escutar e ajudar pela escuta facilitada?
10. De quais condições o facilitador de escuta precisa para escutar?
Vamos combinar que é quase uma lição de boas maneiras, uma forma de se entender pra então entender o outro sem julgamentos prévios.
Alberto Caeiros certa vez escreveu: “Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito; é preciso também que haja silêncio dentro da alma”. Acredito que esses meninos sabidos todos, entendem a dificuldade de hoje. Tá faltando um pouco de silêncio, dentro e fora das pessoas, tem barulho demais, informação demais e a gente não para pra escutar nem o outro nem nós mesmos.
E nas voltas que o mundo dá, tenho tentado praticar o silêncio nesses dias nebulosos, ando preferindo ouvir do que falar, mas vamos combinar que é difícil. Sendo que seguindo esses primeiros passos acima já é um começo interessante. Um dia vou aprender a escutar contigo Fábio. Sucesso.